top of page

O consultor imobiliário do futuro: das novas tecnologias aos negócios

Jeffrey D’Angelo, especialista norte-americano em mediação imobiliária, explicou ao idealista/news como a indústria vai mudar.


O mundo está em constante mudança, e as novas tecnologias vieram acelerar tendências e provocar alterações em vários setores, sendo que o imobiliário não é exceção. Mas, afinal, como será o consultor imobiliário do futuro? E como é que o setor se pode adaptar e melhorar os seus modelos de negócio? Jeffrey D'Angelo, CEO e líder de equipa da Keller Williams Coastal and Lakes & Mountains em Portsmouth, New Hampshire (EUA), deixa pistas para o futuro numa entrevista ao idealista/news.


De acordo com Jeffrey D'Angelo, que realizou uma série de sessões de formação em Itália no mês passado, a forma como um agente imobiliário é e aquilo que ele faz é importante. No âmbito das novas tecnologias, o especialista concentrou a sua atenção na utilização da Inteligência Artificial "para identificar o mercado do futuro", sublinhando que "algumas das técnicas e tecnologias que hoje estão a ser desenvolvidas poderão vir a determinar no futuro a mudança do mercado imobiliário”. No entanto, quis também esclarecer que o setor imobiliário certamente beneficia "da tecnologia, mas esta não substituiu e não substituirá a figura do agente", destacando a importância do lado humano num setor que é e continuará a ser feito por pessoas e para pessoas.


Mas o que é que um consultor de imóveis deve então fazer para organizar melhor o seu trabalho e conseguir melhores resultados?

A resposta de Jeffrey D'Angelo é clara: ter um pipeline atualizado, cheio de clientes e trabalhar nisso; olhar além do negócio que se tem hoje para se preparar para o negócio de amanhã. Mas também para gerir o tempo da maneira certa. Do “estrangeiro” portanto, deve ser replicado o sistema de colaboração entre os agentes, o que “permite atender melhor os clientes” e colocar “todo o setor imobiliário numa melhor perspetiva, uma perspectiva de código aberto”, segundo Jeffrey D'Angelo, cuja entrevista pode ser agora lida.


A pandemia mostrou a importância do papel das novas tecnologias. Agora falamos cada vez mais frequentemente do metaverso. Qual é o futuro para quem trabalha no setor imobiliário?

Assumindo que esta é apenas a minha opinião, diria que a pandemia não contribuiu para inventar novas tecnologias, mas sim encurtou os tempos de implementação das tecnologias que já estavam disponíveis, em comparação com o que teria sido uma progressão e desenvolvimento natural das mesmas.

Existem muitas formas de desenvolver o negócio imobiliário, que não são as tradicionais a que sempre estivemos habituados. Por exemplo, vemos quantas pessoas estão dispostas a comprar uma casa com base num tour virtual, sem sequer tê-la visitado fisicamente; tantas crenças, tantos modos consolidados de fazer que agora estão, gradativamente, totalmente subvertidos.


O que surpreende é, por exemplo, o uso da Inteligência Artificial para identificar o mercado do futuro (identificando os clientes que estão prontos para vender casas): são softwares que nos podem dizer quais são as micro-zonas onde teremos mais casas que entrarão no mercado, software que permitirá ao agente concentrar-se nas ruas ou bairros onde se pensa que haverá mais atividade. Algumas das técnicas e tecnologias que estão a ser desenvolvidas hoje poderão no futuro determinar a mudança do mercado imobiliário.


Quais são as principais regras e objetivos que um profissional do setor deve absolutamente seguir e perseguir?

O principal é que o agente tenha sempre um pipeline atualizado e cheio de clientes e trabalhar nisso; é preciso olhar além do negócio que temos hoje para nos prepararmos para o negócio de amanhã. Aliás, devemos olhar para o negócio de amanhã já hoje, senão corremos o risco de ficar sem ele. Poderíamos definir “hoje” como uma distração do “amanhã”.


A pandemia levou muitas pessoas a mudar a ideia de que o setor imobiliário é um negócio onde os relacionamentos não são essenciais. Este é um setor que certamente beneficia da tecnologia, mas esta não substituiu e não substituirá a figura do agente, só pode melhorar o serviço que os agentes oferecem.


A construção diária do seu pipeline traz consigo a necessidade de acrescentar contactos diários à base de dados, que de outra forma, com o tempo, tenderiam a tornar-se obsoletos; em vez disso, deve ser mantido atualizado, sempre continuando a desenvolver novas relações através da geração de leads.


Aumentar a produtividade é certamente o desejo e o objetivo final de todos aqueles que fazem negócios. Como é que isso deve ser feito no mercado imobiliário?

A principal questão é gerir o tempo da maneira certa, entender quais atividades trazem retorno e receita e quais não trazem. Isso serve para entender o que podemos delegar a outras ferramentas, sistemas ou pessoas e no que devemos focar-nos pessoalmente.


Quais são, na sua opinião, as vantagens do modelo de negócios americano?

Um dos pontos vencedores é certamente o sistema de colaboração entre agentes imobiliários, não só pretendendo ser uma troca de informação entre agentes de um mesmo Market Center, mas também com agentes externos, aqueles fora da organização KW. Isto permite-nos servir melhor os clientes, mas não só, coloca todo o setor imobiliário numa melhor perspetiva, numa perspetiva ‘open source’.

Comments


bottom of page